quinta-feira, 4 de outubro de 2012

«Sou vegetariana porque sou feminista»


«O feminismo ensinou-me a impor-me e a resistir a todas as formas de violência, crueldade, opressão, hierarquia, guerras, militarismos, sobre-exploração da natureza e discriminação.  Ensinou-me a derrubar preconceitos, estereótipos e a reconhecer que à partida tudo, todos e todas somos merecedoras de consideração igual.Foi também o feminismo que me ensinou a posicionar-me perante a maior de todas as opressões: o especismo, e dentro dele a dupla opressão sobre animais fêmeas.


A exploração sobre animais fêmeas, em particular sobre vacas, galinhas ou porcas, implica actos de uma violência brutal como violações manuais ou mecânicas, exploração abusiva das suas glândulas mamárias (no caso dos mamíferos) e a separação imediata das suas crias após cada parto (depois da gravidez induzida através das técnicas de violação).A violação através de rape-rack, por exemplo, consiste em introduzir o braço do ou da inseminadora (violador/a) no recto até ao colo do útero para posiciona-lo e com a outra mão forçar a penetração do instrumento pela vagina.Durante a gravidez, passada em baterias minúsculas, as fêmeas pouco mais podem fazer para além de se baixarem ou levantarem. Após o parto, as suas crias são retiradas de imediato. Se forem machos, são fechados em caixas sem espaço para garantir que os seus músculos e articulações não se desenvolvem e que, então, partes dos seus corpos sejam vendidas como tenros vitelos ou leitões, se forem fêmeas, no caso das vacas, são preparadas para se tornarem vacas leiteiras e viverem uma vida de escravidão.Durante os 7 a 8 meses em que a vaca produz leite, as crias alimentar-se-iam de 5 a 7 vezes por dia. Uma fêmea explorada é obrigada a acumular e carregar cerca de 20 litros de leite todos os dias até que este lhe seja extraído, neste caso apenas uma ou duas vezes ao dia, provocando-lhe danos físicos e sofrimento intenso.  Normalmente, e naturalmente, o tempo em que as as crias permanecem com as mães, e são amamentadas, pode ir até aos 9-12 meses de vida. No entanto, enquanto as pessoas consumirem produtos derivados do leite esse tempo é reduzido a minutos. As implicações psíquicas, emocionais e físicas impostas as esses animais durante todo o processo são imensuráveis.

O único período em que as fêmeas podem ter alguma paz e não verem os seus corpos constantemente explorados, acontece quando deixam de produzir leite mas o descanso dura pouco pois são de novo violadas para garantir que engravidam, voltando a ser mercadoria para a industria dos lacticínios. No caso das galinhas de aviário, que para si têm apenas espaço do tamanho de uma folha A4, o seu sistema reprodutor é manipulado através da luz e do alimento para que estejam constantemente a menstruar (pôr ovos).

O feminismo ensinou-me que não posso aceitar passivamente que retiremos o leite de uma mãe  para seja mercantilizado ao mesmo tempo em que privamos uma cria do seu alimento devido, muito menos que consumamos e prolonguemos a existência de produtos resultantes de violações, maus-tratos, sofrimento, explorações e manipulações dos corpos e sistemas reprodutores.

Poderia eu ser feminista se ao mesmo tempo impedisse que animais fêmeas tivessem qualquer autonomia sobre os seus próprios corpos, indirectamente, explorando-as, oprimido-as, construindo hierarquias, e violentando-as física e emocionalmente?Ah! E a propósito do dia de hoje (4 de Outubro – Dia Internacional do Animal), o feminismo ensinou-me também que não se hierarquizam nem se invisibilizam lutas.»

Crónica da autoria de Cassilda Pascoal
FONTE: dezanove

terça-feira, 10 de julho de 2012

A Califórnia disse adieu ao “foie gras”

Entrou em vigor este domingo na Califórnia a proibição de venda em restaurantes de um afamado produto francês: o foie gras. A partir de agora, todos aqueles que insistirem em vender fígado gordo de pato ou ganso ficam sujeitos ao pagamento de uma multa de mil dólares (789 euros).


A 1 de Julho entrou em vigor uma lei que proíbe a produção e venda de foie gras na Califórnia. Este produto consegue-se através da alimentação forçada de patos ou gansos, que desenvolvem um fígado muito gordo, uma prática considerada desumana pelas autoridades californianas.


Esta proibição tinha já sido decretada em 2004 pelo então governador Arnold Schwarzenegger, mas só agora entrou em vigor, uma vez que as autoridades decidiram dar à principal produtora estatal de foie gras – a empresa Artisan Sonoma Foie Gras – alguns anos para poder reconverter o seu negócio.


Muitos dos proprietários de restaurantes afirmam que nos dias anteriores à proibição houve um grande aumento do consumo de foie gras, em jeito de despedida daquele produtogourmet.


Esta é a única proibição do género nos EUA, apesar de Chicago também já ter tido uma semelhante durante alguns anos, antes de a reverter.


Defensores dos animais satisfeitos


A medida deixou, como seria de esperar, os defensores dos animais muito satisfeitos. Jennifer Fearing, da organização Humane Society, indicou à ABC que apoia esta lei californiana porque considera que alimentar animais à força através de um tubo a fim de aumentar o fígado é “fundamentalmente desumano”.


A organização PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) colocou recentementeonline uma lista das cinco principais razões para se banir o foie gras em todo o território norte-americano. A lista é acompanhada de uma série de fotografias que dão conta da crueldade a que são sujeitos os animais que dão origem a este produto gourmet.


Alguns produtores argumentam, porém, que essas imagens são oriundas de quintas não regulamentadas e, de acordo com o site da empresa Artisan Sonoma Foie Gras, as aves oriundas de quintas legais são sempre muito bem tratadas e andam à solta praticamente toda a vida.


Alguns restaurantes encontraram maneira de dar a volta a esta proibição decidindo que os clientes poderão levar o seu próprio foie gras e que os chefs se encarregarão de o cozinhar no local.


Franceses revoltados


Por seu lado, a indústria de foie gras francesa - principal produtora mundial - ficou revoltada contra esta proibição, afirmando que irá avaliar quais os recursos que tem ao seu alcance para combater esta medida que afecta a imagem de um produto que foi considerado pela Unesco como património gastronómico francês, avança o Le Monde.


“É um assunto que pode parecer anedótico, mas que deve ser levado muito a sério”, comentou uma fonte diplomática francesa ao Le Monde.


O assunto chegou mesmo ao ministério dos Negócios Estrangeiros, que “lamenta” esta decisão. “Após sete anos, as autoridades francesas vão intervir junto das autoridades californianas para que renunciem à sua posição”, sublinhou a tutela.


Os produtores estão furiosos e uma das medidas de reacção que propõem é um boicote aos vinhos da Califórnia, indica o mesmo jornal.


“Estamos a estudar os recursos possíveis”, indicou ao Le Monde a delegada-geral do Comité Interprofissional do foie gras francês, Marie-Pierre Pé. “No plano económico, a incidência dessa proibição não é muito importante. É mais uma questão de imagem (...) A Califórnia é um estado onde as tendências nascem”. 


Marie-Pierre Pé indicou ainda que esta foi uma lei votada “sob a pressão das associações de protecção animal” e invocou uma incompreensão entre o Estado mais povoado dos EUA e a tradição gastronómica francesa. “É uma questão de choque cultural. Quem é que poderá imaginar a França a proibir o ketchup ou os hamburguers?”, acrescentou a mesma responsável.


FONTE: Público On-line

E vocês, o que pensam sobre esta lei? 
Concordam? Ou pensam que a pessoa deve ter a liberdade de escolher se quer comer foie gras ou não?

Publicado por Boneca de Trapos.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Não comas carne, usa preservativo

A cidade de Los Angeles lançou uma campanha de uso de preservativo e a PETA, associação de protecção de animais, aproveitou a deixa.




O que é que uma associação de protecção de animais tem a ver com a campanha de utilização de preservativos promovida pelo município de Los Angeles? Já lá vamos.

Como forma de promover o sexo seguro e reduzir o número de casos de SIDA, o Departamento de Saúde Pública daquela cidade norte-americana lançou uma campanha e um concurso. Nós oferecemos um milhão e um preservativos e vocês criam a imagem da embalagem.

As dez melhores imagens da campanha L.A.’s Next Sex Symbol (cujo prazo de entrega termina no dia 17 de Junho para maiores de 18 anos) serão estampadas na embalagem dos preservativos que serão distribuídos gratuitamente até ao final do ano e que só não podem conter referências ao famoso símbolo Hollywood — o júri também estará atento a vulgaridades e outras obscenidades.

A campanha chegou rapidamente aos ouvidos daPETA (People for the Ethical Treatment of Animals), a maior associação defensora dos direitos dos animais do mundo, com mais de três milhões de membros e apoiantes, que arregaçou as mangas e apresentou o seu candidato.

Protege-te! Diz não à carne
O resultado é um pepino revestido com um preservativo e o slogan “Protege-te: torna-te vegetariana, L.A.” uma forma de a PETA matar dois coelhos de uma só cajadada. “O colesterol e as gorduras animais presentes na carne, ovos e outros produtos podem obstruir as artérias que chegam a todos os órgãos, não apenas ao coração”, explica o vice-presidente Tracy Reiman. Trata-se de um “facto”, assegura Reiman.

“Os homens que comem brócolos em vez de salsichas correm menos riscos de um dia terem cancro, diabetes e impotência”, problemas que, segundo a PETA, estão intimamente ligados ao consumo de colesterol, obesidade, diabetes e problemas relacionados com a próstata.

“Quem se torna vegetariano tem boas probabilidades de melhorar a performance sexual”, garante a PETA. “E é também uma óptima forma de ajudar os animais”.



FONTE: P3 - Público On-Line

Publicado por Boneca de Trapos

segunda-feira, 25 de junho de 2012

F.A.Q. - Vegetarianismo, uma estranha forma de vida

O que é que os vegetarianos comem? Salada e sopa?

Também. Mas a alimentação dos vegetarianos é muito mais rica e saborosa do que isso. É bastante comum que pessoas vegetarianas nem comam com frequência saladas e sopas, como as «outras» pessoas não o fazem constantemente. Portanto, muito para além de saladas e sopas, os vegetarianos comem: soja (granulada ou em pedaços), tofu, seitan, hamburgueres vegetarianos de vários sabores, enchidos de soja e cereais, bifes de soja, salsichas de soja ou tofu, etc. Além destes substitutos da carne (e do peixe – vegetariano não come peixe, nem moluscos, e sim, fiambre conta como carne e delícias de mar, atum e bacalhau contam como peixe), os vegetarianos podem (e devem) consumir legumes variados, frutas, feijão, batata, massa, etc, como toda a gente.

Ser vegetariano é uma coisa recente? É uma moda?

Nem uma coisa, nem outra. Aristóteles, o filósofo, era vegetariano. Há vegetarianos há muitos anos. No entanto, a cultura tradicional habitua as pessoas a comer carne e peixe, por isso, ainda são poucos os que sabem o que é um vegetariano e menos ainda os que não reagem a esse facto com estranheza. Há vegetarianos há muito, muito tempo. Não se trata de uma moda, trata-se de uma convicção. Quanto às motivações, podem ser (entre outras, possivelmente):

-éticas – respeito pelos animais, sentimento de injustiça e incompreensão sobre o facto de os humanos se alimentarem de outros seres, profundo amor e respeito por todos os seres de igual modo, sejam animais ou humanos. Também inclui motivações ecológicas.


- ecológicas - É muito mais ecológico ser vegetariano (para saberem porquê, recomendamos que vejam o pequeno documentário – 10 minutos – que já aqui partilhamos).

 - economicas - se souber fazer as escolhas certas, as refeições vegetarianas preparadas em casa ficam consideravelmente mais baratas do que carne, porque, normalmente, o preço da carne é muito superior ao dos legumes, tofu, seitan ou soja.


- saúde - o consumo excessívo de carne, muito comum nas dietas omnívoras, está fortemente associado a doenças como cancro, mau colesterol, sistema cardíaco debilitado (potenciando ataques cardíacos e AVCs), alesgias, entre muitas outras... Normalmente a adopção de uma dieta vegetariana é mais saudável e diminui o risco de surgimento dessas doenças.


- estéticas - muitas pessoas acreditam que tornando-se vegetarianas irão emagrecer com grande facilidade. (Veremos mais à frente que isso pode ou não acontecer).


- religiosas – Há religiões que apoiam e promovem o vegetarianismo. Uma delas é o budismo. A pessoa pode ter também motivações éticas para ser vegetariana, mas foi sensibilizada ou motivada para isso através da sua religião.


- gosto - há pessoas que simplesmente não gostam do sabor da carne e outros animais e, portanto, já nasceram vegetarianos.


(respostas mais desenvolvidas a estas questões podem ser encontradas aqui: wikipedia.)

A comida vegetariana sabe mal?

O que uns gostam, outros podem odiar. Com a comida vegetariana, obviamente, acontece o mesmo. Ainda assim, com tanta variedade de produtos que os vegetarianos podem consumir, de alguma coisa as pessoas gostarão. A forma de cozinhar também interfere. Um produto pode ser cozinhado de inúmeras maneiras. Ninguém cozinha a carne sem condimentar ou refogar. Com a comida vegetariana acontece o mesmo. E o tempo ajuda a aperfeiçoar as técnicas e descobrir novas receitas.  E novas receitas são um novo mundo de sabores. A carne muitas vezes monopoliza os sabores dos diferentes pratos. Nas refeições vegetarianas, há todo um universo de sabores a experimentar, sem que o sabor da carne interfira.

Os vegetarianos têm falta de proteínas? 

Se fizerem uma alimentação correcta, não. Convém esclarecer que a carne tem excesso de proteínas. Tendo em conta o elevado consumo de carne actual, as pessoas consomem demasiadas proteínas, além de todas as toxinas da carne/peixe (quando os vegetarianos falam em carne, inclui-se também o peixe).
As proteínas encontram-se em: lactícinios (também estão presentes no leite de soja, manteiga de soja etc), frutos secos (como nozes e amêndoas), lentilhas, grão de bico, feijão, tofu, pão e massas integrais, entre outros. Estes alimentos são muito importantes para os vegetarianos (mas não é necessário exagerar na quantidade). Por vezes, algumas pessoas não sabem adaptar de forma saudável a sua alimentação quando se tornam vegetarianas. Uma das razões pode ser não consumirem feijão, grão de bico, frutos secos e legumes verdes (que têm ferro e proteínas) em quantidade suficiente. Antes de desistirem de ser vegetarianos, tenham em conta se a vossa alimentação está realmente equilibrada.

Os vegetarianos comem ovos, manteiga, leite e iogurtes?
Sim, comem. Se não comessem, seriam veganos. Ainda assim, muitos vegetarianos optam por reduzir o consumo destes produtos e substituir os lacticínios por equivalentes de origem vegetal (leite de soja, por exemplo). Também não devem exagerar no consumo de ovos, devido ao colesterol, mas isto aplica-se a qualquer pessoa, vegetariana ou não. Mas sim, comem ovos e lacticínios.




Os vegetarianos usam coisas de pele?

Os vegetarianos que escolhem sê-lo têm normalmente o cuidado de não comprar produtos de pele animal. Couro, camurça, pêlo de qualquer tipo é algo que evitamos. Para tal estamos sempre atentos às etiquetas de roupa e acessórios em busca do símbolo da pele (imagem ao lado). Se o encontrarmos, não compramos.



Os vegetarianos tomam medicamentos com gelatina e componentes animais?
Não. A gelatina é animal. Esse componente tal como muitos outros não são ingeridos por vegetarianos, logo, optamos por comprimidos e medicamentos que não sejam confeccionados com gelatina e outros ingredientes animais. Caso não hajam alternativas e o medicamento seja verdadeiramente indispensável o vegetariano poderá ou não abrir excepções de acordo com as duas convicções.

Os vegetarianos usam cosméticos testados em animais? E cosméticos e produtos com ingredientes de origem animal?

Os vegetarianos podem ou não ser contra o teste em animais para o desenvolvimento da medicina (humana e veterinária), mas normalmente são contra o teste em animais para o desenvolvimento de produtos de estética/cosmética, alimentares ou de vestuário. É difícil, no entanto encontrar produtos não testados nos supermercados mais comuns. Acontece ainda que muitas empresas dizem não testar em animais, mas testam. A falta de transparência e os preços dificultam a nossa triagem. O mesmo acontece com ingredientes de origem animal. É possível que grande parte dos cosméticos contenham produtos animais, mas, no entanto, é muito difícil descodificá-lo lendo apenas o nome dos ingredientes. Há, no entanto, marcas que garantem ser aptas para vegetarianos ou vegan com credibilidade. Exemplos de onde comprar? Sem testes em animais: Body Shop e Oriflame; Vegan (sem produtos de origem animal nem testados em animais): Dr.Organic.

Os vegetarianos são muito magros? São vegetarianos para fazer dieta?
A vontade de emagrecer pode ser um dos motivos ou o único motivo para alguém se tornar vegetariano. A perda de peso pode surgir, mas apenas se se mantiver um equilíbrio e uma dosagem nesse sentido. Há refeições vegetarianas extremamente calóricas e, portanto, os vegetarianos não são necessariamente magros. Para quem não tem essa preocupação, e gosta de refeições calóricas, é muito provavel que não venha a emagrecer. Independentemente de se ser omnívoro, vegetariano, vegan, o que o fará emagrecer é uma dieta para emagrecer dentro desse regime alimentar. Por exemplo, se um omnívoro se torna vegetariano para emagrecer mas continuar a comer refeiçoes calóricas, essa não terá sido uma boa solução e provavelmente não terá o efeito desejado. Além disso, os vegetarianos comem bolos. Se exagerarem na quantidade, como qualquer pessoa, terão tendência para engordar e o facto de serem vegetarianos não muda nada.

Os vegetarianos criticam as outras pessoas por comerem carne?
Há vegetarianos que critícam os omnívoros, tal como há vegan que criticam os vegetarianos. No entanto, não há razões para generalizar. A maioria dos vegetarianos não quer fazer com que os omnívoros se sintam mal e raramente os incomodam com as refeições omnívoras. Os vegetarianos serem incomodados por omnívoros já é muito mais comum. 

Ficaram esclarecidos ou ainda restam dúvidas? Podem partilhar as vossas dúvidas e opiniões connosco. 




FAQ sugerido por Victoria Esseker
Publicado por: Boneca de Trapos e Luna Karenine.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Bolo Fácil de Cenoura

(VEGETARIANO ou OVOVEGETARIANO)

Ingredientes:

3 cenouras
3 ovos
1/2 chávena de óleo de girassol ou de colza (utilizei do normal para fritos)
1 iogurte natural (utilizei iogurte de soja de framboesa e maracujá da marca Sojasun)
3 chávenas de açucar amarelo (utilizei 2 e meia)
3 chávenas de farinha (utilizei farinha Branca de Neve com fermento e também o fermento:   )
1 colher de chá de fermento para bolos
1 colher de chá de canela
Manteiga q.b. para untar forma (de vaca ou de soja)

Confecção:

1. Raspar a cenoura.
2. Colocar num recipiente a cenoura ralada, os ovos, o óleo e o iogurte e triturar tudo.
3. Colocar noutro recipiente a farinha, o fermento, o açucar amarelo e a canela.
4. Juntar o conteúdo dos dois recipientes e mexer bem.
5. Untar uma forma com manteiga e colocar a massa na forma.
6. Levar ao forno a 180º por pelo menos 45 minutos até estar cozido.

Publicado por Boneca de Trapos